Consultório Hospital Albert Einstein Perdizes - Higienópolis

Rua Apiacás, 85 - Perdizes - São Paulo - SP  

CEP: 05017-020

Consultório Instituto de Ortopedia e Traumatologia HC-FMUSP

Rua Ovídio Pires de Campos, 333 Pinheiros

São Paulo - SP

Tel: 2151-8709

Tel: 3145-4050

Lesão do tendão da cabeça longa do bíceps braquial

Anatomia do bíceps

O tendão do bíceps possui duas origens, a cabeça longa e a cabeça curta. A cabeça longa se origina no lábio superior da glenoide, enquanto a cabeça curta no processo coracoide. O rompimento da cabeça longa é frequente, enquanto o da cabeça curta é muito raro. Dessa maneira, esse texto vai abordar apenas a cabeça longa.

Porque o bíceps rompe?

O bíceps, assim como outros tendões, pode sofrer um processo degenerativo, diminuindo sua resistência com o passar dos anos. Além disso, outros fatores como anormalidades no seu trajeto e lesões do manguito rotador podem influir. O manguito rotador normalmente recobre toda a porção articular do tendão. Quando o manguito está lesado o bíceps fica exposto e pode ser submetido a trauma e atrito repetido.

Quais são os sintomas da lesão proximal do bíceps?

O paciente costuma reclamar de dor no ombro. Uma equimose grande pode aparecer no braço. Em alguns casos, o músculo retrai, formando o sinal de Popeye, que é o abaulamento formado pelo músculo no braço.

Qual o tratamento?

Caso o paciente seja pouco sintomático, não é necessária cirurgia. Nesses casos, medicação e fisioterapia costumam ser suficientes. Esse rompimento não costuma levar a diminuição de força. Nos casos de dor persistente ou sinal de Popeye que incomode esteticamente o paciente pode ser realizada a cirurgia.

Como é a cirurgia para a lesão do bíceps?

O procedimento é a tenodese, onde o tendão é fixado no úmero. É importante avaliar também o manguito rotador, geralmente com uma ressonância magnética. A associação de rompimentos do bíceps e do manguito é alta. Caso o manguito esteja rompido e o paciente for sintomático realiza-se, na mesma cirurgia, o reparo da lesão do manguito e a tenodese. Após a cirurgia, é necessária a imobilização com tipoia por 4 a 6 semanas, seguido de fisioterapia para ganho do movimento e fortalecimento do manguito rotador e do bíceps.